sexta-feira, 17 de abril de 2009

Características do Romantismo em: Iracema

Personagens
Iracema: cabelos negros e longos era virgem dos lábios de mel.
Martim Soares Moreno: guerreiro branco que representa o colonizador europeu era amigo dos pitiguaras, habitantes do litoral, adversários dos tabajaras. Os pitiguaras lhe deram o nome de Coatiabo
Moacir: filho de Iracema representa no livro o primeiro brasileiro
Araquém: o feiticeiro da tribo tabajara e pai de Iracema
Caubi: irmão de Iracema
Poti: índio pitiguara, que se considerava irmão de Martim
Batuirité: avô de Poti
Jacaúna: irmão de Poti
Irapuã: chefe dos tabajaras, apaixonado por Iracema.

Iracema é uma obra do romantismo escrita por José de Alencar (1829-1877) publicada em 1865, foi escritor de várias obras clássicas como Ubirajara e O guarani (também obras românticas). Iracema é um romance que fala de um amor proibido entre uma índia e um homem branco europeu, essa obra é relatada em terceira pessoa, onde existe um narrador observador, ou seja, um narrador que dá características aos personagens a partir do que pode observar de seus sentimentos e comportamento.
Essa obra é considerada romântica não só pelo fato de ter sido escrita nos séculos XVIII e XIX, mas também por ter características como a exaltação do amor (sentimentos), o nativismo, individualismo, heroísmo. Identificarei cada uma dessas características românticas na obra Iracema.
A exaltação de sentimentos pode ser percebida no seguinte trecho: “A tristeza escurece a vista de Iracema e amarga seu lábio. Mas a alegria há de voltar á alma da esposa, como volta á arvore a verde rama. ’’
O nativismo pode ser percebido no prólogo da primeira edição que diz a seguinte frase: “Esse livro é cearense... Escrevi-o para ser lido lá... para lá, pois é o berço seu, o envio. ’’
O individualismo é uma característica do autor que põe suas idéias e cria seus personagens no livro.
O heroísmo pó de ser encontrado no seguinte trecho: “-Araquém teve muitos filhos em sua mocidade, uns a guerra levou e morreram como valentes...”

Italo josé n:12

Nenhum comentário:

Postar um comentário